Quinta-feira, 11 de Fevereiro de 2010

“Wines of Portugal” é a nova marca apresentada pelo Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas para estimular as exportações e promover os vinhos nacionais no mercado estrangeiro, num investimento total de 150 milhões de euros

 
Daniel Pinto Lopes
 

A nova marca tem como objectivo final contribuir para o aumento do valor das exportações de vinhos portugueses em 10 por cento no prazo de cinco anos.

 

O ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, António Serrano, refere que até 2013 vão ser disponibilizados 150 milhões de euros de apoios à nova marca, que advêm da comparticipação nacional e comunitária e das entidades privadas.

 

António Serrano diz que, numa primeira fase, “não há obrigatoriedade” na aplicação do rótulo com a marca “Wines of Portugal” e explica que a respectiva aquisição “não é mais dispendiosa do que os restantes selos”, advertindo que o “propósito” desta iniciativa “não é introduzir um custo adicional para o sector”.

 

“É uma matéria que vamos acompanhar de forma progressiva e com o envolvimento dos vários parceiros e da própria ViniPortugal”, afirma.

 

 

O ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas adianta ainda que o selo “Wines of Portugal” dá preferência aos vinhos de qualidade, tendo como base os produtos Premium e Super Premium.

 

“Não estamos a pensar colocar este rótulo em vinhos de qualidade mais baixa e, portanto, é necessário contrabalançar desta forma, atingindo os segmentos mais altos e os vinhos de maior qualidade”, esclarece António Serrano.

 

Em relação aos países alvo para a exportação dos vinhos portugueses, António Serrano explica, com base num estudo de mercado, que os vinhos nacionais “não têm como destino apenas o mercado da saudade”.

 

“Há uma apetência por parte de mercados muito interessantes, como o nórdico e, neste caso, a Suécia, onde há uma procura que tem vindo a crescer, o que significa que temos uma oportunidade”, afirma.

 

Outros mercados prioritários que o executivo pretende atingir são os países com maior poder de compra, como o Norte da Europa, os Estados Unidos e o Canadá.

 

António Serrano refere ainda que o nosso país tem, hoje em dia, uma “grande quota de mercado” em Angola, país que “capta cerca de 22 por cento” das exportações de vinhos nacionais.

 

ÁUDIO:

 

Ministro António Serrano explica investimento de 150 milhões de euros na nova marca

 

António Serrano refere que a utilização do rótulo "não é obrigatória"

 

Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas adianta quais são os países alvo da nova marca



publicado por Expressões Lusitanas às 20:38 | link do post | comentar