Sexta-feira, 4 de Junho de 2010

 

Os projectos 3 Pianos e Andersen Molière, os Virgem Suta, Diabo na Cruz, Macacos do Chinês, Cacique 97, Mazgani, Orelha Negra e Zeca Medeiros são os novos nomes de artistas e grupos portugueses confirmados para o Festival Med, que se realiza em Loulé.

 

Daniel Pinto Lopes

Jornalista

 

Os Macacos do Chinês, um novo colectivo nacional, vão abrir as hostes do Palco Castelo, a 23 de Junho, o primeiro dia do Festival Med.

 

O grupo composto por Miguel Pité (Skillaz), André Pinheiro (Apache), Alexandre Talhinhas (Alx), e Tiago Morna vai apresentar “Ruídos Reais” disco de Março de 2009, que reúne composições originais com influências de ‘funk’, ‘soul’, ‘dubstep’, ‘grime’ e ‘hip-hop’.

 

Ainda no primeiro dia do festival, o compositor e realizador açoriano Zeca Medeiros sobe a palco.

 

“Com uma carreira de décadas no mundo artístico, apenas em 1999 Zeca Medeiros editou o seu primeiro álbum, 'Cinefilias e Outras Incertezas', em que apresenta ao mundo a sua voz rouca e profunda”, esclarece a organização em comunicado enviado ao Expressões Lusitanas.

 

O segundo dia do Festival Med, 24 de Junho, recebe os Cacique 97, “considerado o primeiro colectivo nacional de afrobeat”, explica a organização do Festival Med.

 

“Fundados em 2005, os Cacique 97 inspiram-se em Fela Kuti e nos seus ritmos ‘yoruba’ e ‘highlife’ africanos, ‘jazz’ e ‘funk’”, detalha.

 

O cantor e compositor português Mazgani acaba de lançar, em Abril deste ano, “Sons of Distance”, o seu mais recente trabalho, e vai apresentá-lo no palco Med, também a 24 de Junho, juntamente com os músicos que o acompanham: Alain Anastácio, João Fernandez, Rui Luís, Sérgio Mendes, Victor Coimbra, Marco Franco e Pedro Gonçalves.

 

Ainda no dia 24 de Junho, Andersen Molière, um projecto de jovens músicos portugueses celebrizado após ter vencido o concurso de talento “Rock Rendez Worten”, em 2009, vai estar presente no Med, em Loulé.

 

O colectivo é composto por Sá (guitarra e voz), Duarte (guitarra e voz), Alex (baixo), Vanessa (acordeão), João (violino), Paulo (bateria) e Diogo (percussão).

 

Bernardo Sassetti, Mário Laginha e Pedro Burmester compõem o projecto 3 Pianos, outra das propostas portuguesas que vai subir a um dos palcos principais do Festival Med, no dia 25 de Junho.

 

Os três pianistas reúnem-se num encontro inédito, durante o qual “emergem as suas formações clássicas, ‘jazz’ e contemporânea portuguesa, entre solos, duetos e trios, num repertório variado e com composições próprias e recriações de peças de Bach, Mozart, Béla Bartók e Ravel”, informa a organização.

 

Entre os temas que o projecto a três vai apresentar consta uma versão de “Traz Outro Amigo Também”, de Zeca Afonso.

 

No dia de encerramento do certame, 26 de Junho, actuam os Virgem Suta, o projecto de Jorge Benvinda e Nuno Figueiredo.

 

Este duo alentejano (de Beja) apresentará os temas do seu álbum de estreia homónimo, editado em Junho de 2009.

 

‘Virou!’, o recém-editado álbum de estreia dos Diabo na Cruz, vai igualmente marcar presença no Festival Med no dia de fecho.

 

A banda mistura o rock com a música tradicional portuguesa. Jorge Cruz, B Fachada, Bernardo Barata, João Pinheiro e João Gil vão subir ao Palco Castelo.

 

Francisco Rebelo (baixista) e João Gomes (teclista) dos Cool Hipnoise, o ‘rapper’ Sam The Kid (Samuel Mira), Fred, baterista dos Buraka Som Sistema e de vários outros projectos, e o DJ Cruzfader são os Orelha Negra, um projecto instrumental que mistura ‘funk’ e ‘soul’, ‘hip-hop’, ‘groove’, ‘samples’ e voz, que saiu da garagem depois de mais de 80 temas preparados, descreve a organização no mesmo comunicado.

 

"Orelha Negra" é também o título do primeiro álbum editado em Março deste ano, que vai ser apresentado no último dia do evento.

 

O Festival Med é composto por nomes da ‘world music’ nacional e internacional e terá lugar no centro histórico da cidade de Loulé, entre os dias 23 e 26 de Junho.



publicado por Expressões Lusitanas às 19:24 | link do post | comentar