Sexta-feira, 20 de Agosto de 2010

 

O festival “Querido Mês de Agosto”, que devia decorrer até domingo em Vila Real, foi cancelado e os “elementos da organização fugiram”, informa a Agência Lusa, citada pelo Jornal de Notícias (JN). Ontem, sabe o Expressões Lusitanas, Pedro Abrunhosa era cabeça-de-cartaz e cancelou o concerto por “incumprimento contratual”.

 

Daniel Pinto Lopes

Jornalista/Com Agências

 

Em comunicado enviado ao Expressões Lusitanas, a agência de artistas Sons em Trânsito detalha que o músico portuense e a banda que o acompanha “lamentam o incómodo que o cancelamento possa ter causado aos fãs e a todos os presentes no recinto”.

 

Na mesma nota confirmam que o motivo da não realização do concerto “se deve unicamente a incumprimento contratual da organização do evento”.

 

“Pedro Abrunhosa & Comité Caviar e toda a equipa técnica aguardaram no local até à 01:00, momento em que se tornou inequívoco não estarem reunidas as condições para a realização do espectáculo e que o acordo não iria ser cumprido”, refere a Sons em Trânsito no referido comunicado.

 

Contactada pelo Expressões Lusitanas, fonte da agência adiantou ainda que, pela informação que teve acesso, “os agentes [do festival] não eram conhecidos no meio”, estando a organizar o evento “pela primeira vez”.

 

À Agência Lusa, citada pelo JN, Artur Carvalho, um dos representantes do Abambres Sport Clube, que cedeu o espaço para a realização do evento, disse hoje que os palcos já estão a ser desmantelados, porque "não apareceu ninguém da organização" deste festival, acabando por ser anulado.

 

Artur Carvalho afirmou ainda à agência de notícias que os organizadores "fugiram durante a noite", deixando apenas "dívidas" e "muitos prejuízos para o clube", pelo que pondera apresentar queixa contra a empresa organizadora.

 

A Topiklink - Agência de Espectáculos e Eventos era a organizadora do "Querido Mês de Agosto", tendo sido anunciado como o maior festival de música portuguesa deste Verão.



publicado por Expressões Lusitanas às 15:45 | link do post | comentar

1 comentário:
De ARPires a 20 de Agosto de 2010 às 17:11
Parabéns Pedro Abrunhosa pela coragem.
Isto de trabalhar e não receber não dá.
Só dá mesmo para vigaristas e caloteiros e eles estão onde menos se espera, muitas vezes a coberto de uma entidade que é suposto ser idónea.
Em abono da verdade o que se pode esperar de uma empreza a funcionar num 10º Andar de um prédio de habitação, só pode dar nisto.
Começa mal, só podia acabar mal.


Comentar notícia