Terça-feira, 31 de Agosto de 2010

Foto: Ultimam-se os preparativos para acolher a 34ª edição do Avante

 

O membro do Comité Central do PCP Ruben de Carvalho considera, em entrevista ao Expressões Lusitanas, que o Avante é uma festa “popular” e “transversal”, constituindo um “espaço aberto” aos militantes do partido ou àqueles que pretendem “pura e simplesmente” ver um artista “de que gostam”.

 

Daniel Pinto Lopes

Jornalista

 

Não há propriamente um segredo na Festa do Avante, que se realiza este fim-de-semana na Quinta da Atalaia, em Amora, Seixal, mas “uma identidade”, o que significa “uma diferença”.

 

“O Avante é uma grande festa popular e transversal, do ponto de vista etário, social e cultural”, afirma Ruben de Carvalho ao Expressões Lusitanas, à margem da conferência de imprensa de apresentação da Festa.

 

Em 2010 celebra-se a 34ª edição do Avante, uma longevidade atingida pelo facto de se ter “conseguido sempre assegurar” a sua transversalidade.

 

“Nada acontece por acaso. É preciso trabalhar, estudar, comparar e reflectir muito. Tudo é visto ao pormenor”, diz o membro do Comité Central do Partido Comunista Português.

 

A Festa do Avante marca a ‘rentrée’ política do PCP e ostenta uma realidade e componente políticas “nunca ocultadas ou disfarçadas”.

 

“O Avante é feito pelo PCP e pelos seus militantes. Os resultados financeiros da Festa revertem a favor da actividade política do PCP. É tudo claro como a água. Aqui passam-se alguns dos eventos políticos mais importantes da vida do partido, desde o comício político aos colóquios e passando pelas visitas de delegações estrangeiras. Nunca negámos nada disso”, afiança.

 

Ruben de Carvalho acrescenta ainda que o Avante “não se esgota” apenas na política em si, numa festa em que existe uma “profunda” componente “cultural”, “lúdica”, “popular” e de “diversão”.

 

“Se lutamos por uma sociedade aberta, na qual as pessoas possam fruir daquilo que lhes dá prazer, como é que não ficaríamos felizes se fazemos uma festa onde uma pessoa, que não sei quem é, vem cá pura e simplesmente para ver um grupo de que gosta? Isso é óptimo”, sublinha o responsável.

 

Tal como nas edições anteriores, o Avante tem uma “preocupação” para com a música portuguesa, não ocultando, contudo, que em tempos a Festa teve uma presença estrangeira “superior” àquela que tem hoje.

 

“Essa presença internacional tinha um significado completamente diferente, porque era uma presença que não existia no país. Milhares de pessoas assistiram na Festa do Avante a um espectáculo de um artista que nunca tinham visto ou que nunca mais iriam ver”, detalha Ruben de Carvalho.

 

Nos dias de hoje a situação “modificou-se”, existindo “uma realidade” chamada festivais de Verão e uma “realidade industrial e profissional” na área dos espectáculos, “muito apoiada” na Festa do Avante.

 

“É difícil encontrar em qualquer empresa portuguesa dedicada à indústria do espectáculo alguém que não esteve ou esteja ligado ao Avante”, assegura.

 

A Festa do Avante realiza-se entre os dias 3 e 5 de Setembro na Quinta da Atalaia, na Amora, concelho do Seixal.



publicado por Expressões Lusitanas às 18:23 | link do post | comentar