Sábado, 4 de Setembro de 2010

 

O primeiro dia do Avante 2010 foi dedicado às celebrações dos 25 anos da Carvalhesa, tema adoptado pelo Partido Comunista Português (PCP) nas eleições legislativas de 1985, convertido, posteriormente, em hino da Festa. Ontem, a Quinta da Atalaia esteve bem composta. Extensas filas nos acessos à ponte 25 de Abril atrasaram a chegada de alguns visitantes.


Daniel Pinto Lopes

Jornalista

 

O acesso via automóvel até bem perto do recinto apenas é permitido a residentes e a pessoal ligado à organização da festa. Os jornalistas e visitantes têm de tentar a sua sorte nos parques de estacionamento à disposição.

 

Cerca de 500 metros são percorridos a pé até se chegar à Festa. Pelo caminho, uns iam carregados com geleiras e bebidas, outros com tendas e material de campismo. Para quem mora longe da Quinta da Atalaia ou pretende evitar deslocações, a organização coloca à disposição dois acampamentos.

 

Ainda na jornada a pé ouviam-se vozes de descontentamento, pelo facto de os acessos à ponte 25 de Abril terem estado fortemente congestionados e, conjugado com o tempo à procura de um lugar para estacionar, atrasarem o planeamento feito de véspera.

 

Reclamações à parte, o primeiro dia do Avante foi dedicado à celebração dos 25 anos da “Carvalhesa”, composição musical feita com base num tema popular português original de Trás-os-Montes, que, mais tarde, se veio a tornar no hino da Festa.

 

O programa de homenagem realizou-se no palco 25 de Abril e foi baseado em peças com origem em temas populares tocadas ao piano por Mário Laginha e António Rosado.

 

Mais tarde, António Vitorino D’Almeida apresentou pela primeira vez em público a peça “Carvalhesa” (Abertura Clássica, op. 87) e, para isso, contou com a presença da Orquestra Sinfonietta de Lisboa.

 

Fundada em 1995, a Orquestra Sinfonietta de Lisboa tem como base 29 instrumentistas de corda, podendo integrar sopros ou outros instrumentos, de acordo com as exigências dos programas a executar.

 

No final do concerto de comemoração, a euforia reinou por entre os milhares de visitantes, que, ao som da “Carvalhesa” de 1985, saltaram e gritaram, tal como é hábito sempre que o hino da Festa ecoa pelas colunas da Quinta da Atalaia.

 

Já no extremo do recinto, o Auditório 1º de Maio esteve bem composto durante as actuações de Catarina dos Santos, Dany Silva e Celina Pereira e Muxima (Janita Salomé, Filipa Pais, Ritinha Lobo e Yami), colectivo que, dando uma nova roupagem nas canções mais célebres do Duo Ouro Negro, homenageia a dupla angolana.

 

O Palco Arraial acolheu as ‘performances’ de Rosa dos Ventos, Rogério Charraz e Arranca Telhados. Durante toda a noite, o Avanteatro disponibilizou cinco espectáculos, entre teatro, dança ou música.

 

Hoje, 04 de Setembro, as portas abrem às 10:00. A nível cultural, a oferta é variada. Diabo na Cruz, Claud, Cacique’97, Monte Lunai, Sebastião Antunes e Quadrilha, Adriana, Bunnyranch, Deolinda, A Naifa, Bernardo Sassetti Trio, Baile Popular, Pedro Abrunhosa & Comité Caviar, Orquestra de Jazz de Matosinhos, Ranchos Folclóricos e Grupos Etnográficos, artes de rua, espectáculos de dança e teatro são algumas das atracões para o dia de hoje no Avante.


Tags:

publicado por Expressões Lusitanas às 09:20 | link do post | comentar