Quarta-feira, 17 de Novembro de 2010

 

Mister Lizard é um grupo de ‘funk’ “puro e duro” idealizado pelo guitarrista inglês Anthony John, actualmente a viver em Portugal. Este ano lançaram o primeiro EP – “Heavy Funk” - com cinco temas, uma forma “prática e económica” de se projectarem na cena ‘funk’ que, em Portugal, ainda representa um nicho “em crescimento”.

 

Daniel Pinto Lopes

Jornalista

 

O amor foi o motivo que levou Anthony John a trocar Londres por Lisboa, em 2003. “Conheci uma portuguesa e ela não quis ficar lá. Disse-me que Portugal é um país com um bom clima e bom vinho e, de facto, não mentiu”, explica o guitarrista ao Expressões Lusitanas.

 

Estando por cá, e sem conhecer ninguém ou “conseguir dizer uma palavra em português”, Anthony John começou a frequentar as ‘jamsessions’ do Hot Club e conseguiu estabelecer contactos. Em 2005, conheceu aqueles que são actualmente os restantes elementos dos Mister Lizard – Fernando Nobre ‘Silk’ (voz), Ciro Cruz (baixista), Miguel Casais (baterista) e Dan Hewson (pianista e trombonista).

 

“Foram 5 anos de descoberta, de amadurecimento e para conseguir angariar dinheiro para lançar este disco”, afirma Anthony John.

 

No processo de composição das músicas, as influências do ‘funk’ dos anos 60 e 70 e de nomes consagrados, como James Brown ou Jimi Hendrix, estiveram presentes, mas não quiseram, contudo, “imitar” os seus ídolos.

 

Apesar de a maioria das suas influências musicais serem anglo-saxónicas, os Mister Lizard foram também beber do contributo musical de artistas portugueses, como os Jafumega, Pedro Abrunhosa, Rui Veloso e à “loucura”, “histeria” e “cena extrovertida de querer quebrar barreiras” de António Variações.

 

“O funk tem um lado de provocação, mas não de carácter social, como existe, por exemplo, no ‘hip-hop’”, detalha ao Expressões Lusitanas o vocalista Fernando Nobre ou ‘Silk’, como é conhecido.

 

Garantem viver da música, uma tarefa “difícil”, sobretudo para quem explora um “estilo alternativo”. “Há um nicho de ‘funk’ em crescimento em Portugal. O nosso papel é quase lançar uma lança em território desconhecido e tentar perceber o que vai acontecer”, afirma. Tocam “praticamente” todos os meses e multiplicam-se em outros projectos para conseguirem “pagar a renda”.

 

O Cinema São Jorge (20 de Novembro, às 23:30) e o Musicbox (07 de Dezembro, às 23:30), em Lisboa, são os dois próximos palcos onde os Mister Lizard vão apresentar o seu ‘funk’ “puro e duro”.

 

Na primeira sala lisboeta, Lúcia Moniz vai ser um dos convidados especiais, fruto do “casamento perfeito” entre a artista e a banda depois do concerto realizado este ano no Palco Sunset do Rock in Rio Lisboa.



publicado por Expressões Lusitanas às 14:06 | link do post | comentar