Segunda-feira, 22 de Novembro de 2010

Actuação de O Experimentar Na M’Incomoda na gala dos Prémios Megafone 2010

 

O açoriano Pedro Lucas é o responsável pelo projecto O Experimentar Na M’Incomoda, o qual se baseia na reinvenção da música tradicional dos Açores num contexto musical urbano e contemporâneo. Fruto da menção honrosa conquistada nos Prémios Megafone, o primeiro disco foi lançado durante este mês de Novembro.

 

Daniel Pinto Lopes

Jornalista

 

O álbum de estreia de Pedro Lucas é inspirado no disco “O Cantar Na M’Incomoda”, de 1998, no qual o músico Carlos Medeiros, natural da Ilha da Terceira (Açores), reinterpretava, num misto de cantautor e folclore, “alguns temas mais obscuros do espólio tradicional do arquipélago”, explica a agência do músico em comunicado enviado ao Expressões Lusitanas.

 

Da responsabilidade do faialense Pedro Lucas, O Experimentar Na M’Incomoda conta com a participação dos músicos açorianos Miguel Machete (Bandarra), Pedro Gaspar (Bandarra), Zeca Medeiros, Jácome Armas e do próprio Carlos Medeiros.

 

Idealizado e gravado algures entre o Capelo, localidade da Ilha do Faial, e Copenhaga, na Dinamarca, cidade onde Pedro Lucas se encontra actualmente, fazem parte do alinhamento deste primeiro disco temas retirados de “O cantar Na M’Incomoda”,“Tradições Orais – Corvo, S. Jorge e Terceira”, de Paulo Henrique Silva, e os mais canónicos “Bela Aurora” e “Ilhas de Bruma” (não tradicional).

 

A capa do disco foi desenhada pela artista plástica Andrea Inocêncio, criando uma nova versão da Coroa do Espírito Santo, considerada o símbolo máximo da maior expressão cultural, religiosa e profana dos Açores.

 

A menção honrosa atribuída pelo júri dos Prémios Megafone, gala realizada a 17 de Outubro no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, valeu a Pedro Lucas o lançamento deste seu disco de estreia a solo.



publicado por Expressões Lusitanas às 17:48 | link do post | comentar