Quarta-feira, 22 de Dezembro de 2010

 

O livro escrito pela ex-concorrente do primeiro Big Brother realizado em Portugal pretende transformar o leitor num concorrente de um ‘reality show’ e demonstrar “tudo” o que de “bom, humano e divertido” existe num concurso do género, ao invés dos seus “podres”. Em entrevista para o Expressões Lusitanas, Marta Cardoso critica a fórmula inerente ao novo programa da TVI, “Casa dos Segredos”.

 

Daniel Pinto Lopes

Jornalista

 

Passados dez anos da estreia do “Big Brother” em Portugal, “Os Segredos da Casa” são revelados por Marta Cardoso. A ex-concorrente assevera não ser um livro “polémico” ou que “vá contar algo que as pessoas já não saibam”.

 

“Teria de apresentar uma perspectiva ainda não conhecida. Caso contrário, não valia a pena escrever um livro”, afirma Marta Cardoso ao Expressões Lusitanas.

 

A autora refere que o “grande segredo” do livro prende-se com o facto de o leitor ficar a saber “o que se passou” na cabeça dos concorrentes e a forma como estes viveram a experiência que, na altura, era “única”, por ter sido o primeiro “Big Brother” realizado em Portugal.

 

“Quem ler este livro vai colocar-se no lugar de um concorrente e sentir o mesmo ou algo semelhante, tal como se estivesse na casa. Vai ter acesso ao olhar, aos pensamentos e sentimentos de um participante, que, neste caso, são os meus”, explica Marta Cardoso.

 

A ideia de lançar o livro “não é nova". Cinco anos após o término do concurso, Marta Cardoso sentiu não ter o “distanciamento” e a “maturidade” suficientes para redigir “o quer que fosse” sobre o “Big Brother”.

 

Mais tarde diz ter começado a ver o “fenómeno” de outra forma. Visionou mais de 200 horas de imagens do programa e “teve” de colocar a sua mente novamente no interior da casa, um processo que, aliado à escrita da história, levou um ano e meio.

 

A ex-concorrente refere ainda que o seu livro tenta responder a uma pergunta “que toda a gente” tem feito: “Como deve ser um concorrente de um ‘reality show’?” “Depende de cada pessoa”.

 

“Este tipo de programas mostra que, como sociedade, somos muito desequilibrados, pouco coerentes, não temos um carácter bem vincado e os valores estão perdidos”, considera.

 

A TVI tem actualmente no ar o seu novo ‘reality show’ intitulado “A Casa dos Segredos”. Marta Cardoso tece algumas críticas ao formato, que “privilegia” sobretudo a componente jogo.

 

“Não acredito que os concorrentes sejam tão pobres espiritualmente como mostram ser. Acredito, sim, que a forma como o formato está pensado e as regras a que estão sujeitos privilegiem o seu lado pior. Eles podem ter acções que seriam condenáveis no nosso dia-a-dia, mas, pelo facto de ser um jogo, tais atitudes estão legitimadas”, destaca.

 

Apesar das críticas endereçadas ao novo programa do canal de Queluz de Baixo, Marta Cardoso confessa ter aproveitado a mediatização em torno do mesmo para promover o seu livro.

 

“Em Janeiro já falava da hipótese de o escrever e, entretanto, tive a feliz coincidência de, em Maio, se começar a falar sobre a vinda de um novo Big Brother, que culminou n’A Casa dos Segredos”, explana.

 

A autora confidencia ainda ao Expressões Lusitanas ter tentado negociar com a produtora do “Big Brother” os direitos de imagem do logótipo do concurso, a fim de o colocar na capa do livro. Contudo, a Endemol negou o pedido, bem como a disponibilização em DVD de um conjunto de imagens do programa.



publicado por Expressões Lusitanas às 12:54 | link do post | comentar