Terça-feira, 25 de Janeiro de 2011

 

O presidente da Vodafone, António Coimbra, e o administrador da Media Capital Rádios, Luís Cabral


A Vodafone FM inicia as suas emissões regulares a partir da meia-noite de quarta-feira, 26 de Janeiro. Trata-se de uma rádio “completamente dedicada” à música, tem a juventude como público-alvo, pode ser ouvida em Lisboa e no Porto e a sua ‘playlist’ será “influenciada” pelas escolhas ‘online’ dos ouvintes. Em simultâneo com o arranque das emissões decorrerá um ‘casting’ para locutores.

 

Daniel Pinto Lopes

Jornalista

 

“Actualmente, os jovens ouvem mais música e menos rádio e, provavelmente, esta emissora pode tentar resolver este problema. Diria que é uma espécie de ‘Ipod’, no qual a música vai-se refrescando e tal constitui uma vantagem, porque, por vezes, as pessoas têm dificuldade de arranjar novas músicas e de gerir as suas ‘playlists’”, explica ao Expressões Lusitanas o director de marketing da Vodafone, António Carriço.

 

A Vodafone FM surge na sequência do projecto apresentado pelo grupo Media Capital e é a primeira incursão da operadora britânica no meio rádio.

 

“A rádio está bem viva e esta é a prova. Uma marca, como a Vodafone, abraçou de imediato este projecto. A própria indústria também beneficia e a rádio precisa de ser puxada para cima, tendo em conta a importância e a dignidade que tem”, considera ao Expressões Lusitanas o administrador da Media Capital Rádios (MCR), Luís Cabral, grupo que faculta as frequências de emissão – 107,2Mhz (Lisboa) e 94,3Mhz (Porto).

 

O poder de decisão editorial e de programação está do lado da MCR. A Vodafone constitui assim um patrocínio, facto que permite dar viabilidade à nova aposta.

 

“É uma rádio sem a toxicodependência de audiências e de receitas publicitárias, porque é um projecto de marca e, ‘a priori’, permite uma margem de conforto para se fazer um produto muito mais independente”, refere ainda Luís Cabral ao Expressões Lusitanas.

 

Numa primeira fase, o conteúdo da Vodafone FM é composto por uma ‘playlist’ (lista de temas computorizada) de músicas nacionais e internacionais. Até 13 de Fevereiro decorrerá um ‘casting’ de locutores através da página oficial da nova emissora.

 

“Quem gostar muito de música e de rádio pode concorrer ao ‘casting’. Estamos à espera de ter jovens locutores que se identifiquem completamente com este projecto”, detalha o responsável pelo marketing da Vodafone.

 

Com a entrada dos locutores em antena está prevista voz em directo na emissão e outro tipo de programação, como noticiários sobre o mundo da música, agenda cultural e programas de autor.

 

Os ouvintes da nova rádio podem “influenciar” a ‘playlist. “No fundo, as pessoas podem seleccionar ‘gosto/não gosto’ de determinada música e isso pode retirar ou manter as canções na programação”, acrescenta António Carriço.

 

A Vodafone apenas pode ser ouvida, em FM, no Porto e em Lisboa, ocupando as frequências da Romântica FM, que deixa de existir. Todavia, “não faz parte” dos objectivos da MCR criar uma rádio “única e exclusivamente” dedicada à música portuguesa.

 

No Porto, a anterior frequência da Romântica FM (100,8Mhz) era generalista e, por tal, troca com a Rádio Lidador (94,3Mhz), passando a temática musical. “A frequência generalista obrigava ter programação local e nós não queremos. Tudo vai ser feito a partir de Lisboa”, justifica o administrador da MCR, Luís Cabral.

 

 



publicado por Expressões Lusitanas às 21:07 | link do post | comentar