Quinta-feira, 10 de Fevereiro de 2011

 

Os três elementos que compõem os Guta Naki conheceram-se há alguns atrás no liceu e começaram logo a fazer música. Pelo meio houve um pequeno interregno, que serviu para perceberem a importância de voltarem a juntar-se. Todos estes anos de convivência e de vários projectos musicais fizeram com que dessem o passo decisivo e apresentassem agora o disco de estreia.

 

Daniel Pinto Lopes

Jornalista

 

Passaram-se dois anos desde o primeiro concerto até ao lançamento do álbum de estreia. Este espaço temporal serviu para “enriquecer” e “transformar” as músicas agora incluídas no disco de apresentação do grupo.

 

Dizem ser sempre “difícil” descrever a própria sonoridade. Porém, com base nas opiniões que têm recolhido, esta situa-se no pop/rock electrónico.

 

Para os Guta Naki, as letras dos 11 temas incluídos no álbum surgiram das coisas que “lêem”, “vivem” e “experienciam”. “Um trabalho diário de procura”, afirma a vocalista Cátia Pereira ao Expressões Lusitanas.

 

Afinal, o que significa Guta Naki? “São os nomes dos nossos animais de estimação. A Guta é a gata da Cátia e a Naki é a minha cadela. Às vezes estavam a assistir aos ensaios e, por isso, também mereciam uma homenagem”, humoriza o guitarrista Nuno Palma ao Expressões Lusitanas.

 

O grupo já está na estrada a promover o primeiro disco. No dia 12 de Fevereiro, os Guta Naki vão estar em Esposende. Seguem-se as passagens pela FNAC de Coimbra (18 de Fevereiro, às 22:00), Teatro Vila Real, em Vila Real (24 de Fevereiro, às 22:00), Museu do Abade de Baçal, em Bragança (25 de Fevereiro, às 22:00) e Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães (26 de Fevereiro, às 23:30).



publicado por Expressões Lusitanas às 18:28 | link do post | comentar