Quinta-feira, 11.03.10

Estação de Atocha: Monumento de homenagem às vítimas do atentado

 

ÁUDIO da REPORTAGEM:

 

Seis anos após os atentados terroristas de 11 de Março em Madrid, o Expressões Lusitanas recupera uma curta conversa com um dos jornalistas que relatou na rádio os primeiros instantes da tragédia que marcou a Espanha.

 
Daniel Pinto Lopes
 

Na manhã de quinta-feira, mas de há seis anos atrás, várias bombas explodiram no interior de quatro comboios suburbanos e perto da estação madrilena de Atocha.

 

Inicialmente, a autoria do ataque terrorista foi atribuída à organização separatista basca ETA. Dias depois as dúvidas dissiparam-se e revelou-se que a Al-Qaida de Osama Bin Laden foi a responsável pelos atentados.

 

O Expressões Lusitanas falou em 2008 com o pivot do programa informativo dessa manhã na Cadena Ser, o “Hoy Por Hoy”. Inãki Gabilondo explica que teve vários sentimentos durante aquela manhã. Entre estes destaca o sentimento de “alucinação”, pelo facto de estar a relatar este acontecimento via rádio e no seu país, bem como pelo “aumento vertiginoso” do número de mortos. Tudo isto, diz, obrigou a manter a “cabeça serena”.

 

Iñaki Gabilondo detalha ainda ao Expressões Lusitanas que este foi o dia em que viu a Espanha “mais unida do que nunca”, mas manchada pelos acontecimentos.

 

“Foi o maior movimento de solidariedade que conheci em toda a minha vida profissional. Começaram a chegar pedidos para se doar sangue e, uma hora depois, ligaram para terminar o pedido, porque já tinham as reservas necessárias. Os taxistas ofereciam serviços gratuitos de toda a Espanha”, recorda.

 

Iñaki Gabilondo confessa ao Expressões Lusitanas que “nunca tinha conhecido um momento de grande união em Espanha”. Afirma ainda que era “impossível” acreditar naquilo que estava a relatar.

 

Hoje, a presidente do governo regional de Madrid, Esperanza Aguirre, e o presidente da câmara da capital espanhola, Alberto Ruiz-Gallardón, depositaram coroas de flores na Praça do Sol, naquela que é a primeira de várias cerimónias que assinalam o sexto aniversário dos atentados.

 

A coroa de flores foi deixada junto à placa colocada na Real Casa de Correios, onde se assinalam os atentados mais mortíferos da história espanhola, que causaram 192 mortos e 2000 feridos.

 

 



publicado por Expressões Lusitanas às 20:01 | link do post | comentar