Quarta-feira, 24.11.10

 

“As mensagens intemporais de José Afonso numa nova sonoridade”. É desta forma que o disco “Zeca Sempre” é apresentado,  num projecto que junta os músicos Nuno Guerreiro (ex-Ala dos Namorados), Olavo Bilac (Santos e Pecadores), Tozé Santos (Per7ume) e Vítor Silva.

 

Daniel Pinto Lopes

Jornalista

 

Os quatro músicos juntaram-se para um projecto de homenagem ao cantor, músico e autor José Afonso, que, de acordo com a agência do grupo em comunicado enviado ao Expressões Lusitanas, foi “pioneiro de uma estética musical alternativa ao ‘nacional cançonetismo’” e teve um contributo “inovador na redescoberta e valorização da música de raiz tradicional”.

 

A escolha dos quatro intérpretes de “Zeca Sempre” baseou-se em três aspectos – África, Porto/Coimbra e sul do país, pode ainda ler-se no comunicado.

 

“O Que Faz Falta” dá o mote ao primeiro registo discográfico dos “Zeca Sempre”, grupo que “redescobre as músicas de intervenção, populares e até as vivências mais desconhecidas de José Afonso”, nomeadamente a passagem pelos fados de Coimbra.

 

O disco inclui doze canções seleccionadas do vasto espólio de José Afonso e são agora recordadas em diferentes registos e com novos arranjos musicais.

 

Juntamente com o álbum está um DVD com as imagens do documentário “Legados de José Afonso”, um trabalho realizado por Filipe Carvalho e Marco Pereira, no âmbito da tese final do curso de Comunicação da Universidade Lusófona.



publicado por Expressões Lusitanas às 20:56 | link do post | comentar

Quinta-feira, 19.08.10

 

 

A RTP2 vai exibir, entre os dias 23 e 27 de Agosto, às 23:45, um documentário realizado por um autor português. São cinco filmes que homenageiam Celeste Rodrigues, a diva Amália Rodrigues, Carlos Paredes e Zeca Afonso, informa a RTP em comunicado enviado ao Expressões Lusitanas.

 

Daniel Pinto Lopes

Jornalista

 

No dia 23 é exibido “Fado Celeste”, um documentário sobre a obra e a vida de Celeste Rodrigues, a irmã mais nova da diva do fado Amália Rodrigues.

 

“Este filme centra-se na imensa memória que Celeste Rodrigues possui. É a canção de Lisboa por uma voz octogenária, que nos dá uma história de vida em cada palavra que canta”, detalha a RTP na nota enviada.

 

“As Cordas de Amália” é o filme que se segue, a ser emitido na terça-feira, 24 de Agosto, no qual serão expostos os testemunhos e as histórias narradas por Raul Nery, Fontes Rocha e Joel Pina, que acompanharam e pisaram vários palcos com Amália ao longo de vários anos.

 

“Não foram apenas testemunhas do sucesso de Amália. Foram actores da excepcional história da cantora e das suas conquistas. Em ‘As Cordas de Amália’, juntámo-los no Clube do Fado, em Lisboa, e relembrámos os gloriosos anos em que se reuniram no mítico Conjunto de Guitarras Raul Nery”, refere.

 

Na quarta-feira, 25 de Agosto, o documentário a ser transmitido intitula-se “Diva: Simplesmente Uma Homenagem”, que reproduz a vida e obra de Amália Rodrigues, sem deixar de lado alguns dos contratempos vividos pela fadista.

 

“Face a todas as contrariedades, Amália Rodrigues manteve fielmente a postura que criara para si desde que pegou no fado e o moldou à sua maneira, tirando-o das tabernas em direcção aos mais prestigiados palcos do mundo. Amada por uns e odiada por outros, a cantora nunca se deixou ultrapassar pelos acontecimentos e, mesmo se com alguma ingenuidade à mistura, conseguiu passar por cima de todas as situações adversas, saindo pela porta grande, sem ter de as contornar sinuosamente”, lembra a RTP.

 

Carlos Paredes vai ser a figura central do documentário a ser visionado no dia 26 de Agosto na RTP2. “Movimentos Perpétuos - Tributo a Carlos Paredes” é um filme em 17 movimentos, em que “os testemunhos e a guitarra definem o génio, a bravura e a modéstia” do compositor e guitarrista.

 

O último dos cinco documentários que a RTP 2 vai divulgar na próxima semana tem Zeca Afonso como pano de fundo – “Não Me Obriguem a Vir Para a Rua Gritar”.

 

“O Homem e a Obra marcaram toda uma geração de portugueses. E deixaram uma herança social e cultural às gerações seguintes. Todos temos um pouco de Zeca Afonso, um homem cujo génio ultrapassa qualquer época ou catalogação. Um homem cuja mensagem é veiculada por letras que se revelam sempre actuais”, sublinha a televisão pública no referido comunicado.



publicado por Expressões Lusitanas às 18:56 | link do post | comentar

Sexta-feira, 06.11.09

                      

 

Músicos portugueses e espanhóis participam hoje num concerto de homenagem aos 80 anos do nascimento de Zeca Afonso, organizado pela associação “A Gentalha do Pichel” de Santiago de Compostela (Galiza, Espanha).

 
O concerto “Traz um amigo também” vai contar com a participação de vários músicos que partilharam palcos com a voz mais famosa da canção de intervenção portuguesa, entre eles Xico de Carinho, que tocará com o seu grupo Na Virada, Luis Almeida, Juan Guitián, Arturo Regueira e Antom Labranha.
 
Participam ainda os músicos Uxía Senlle, José Pumar, e Benedito de Voces Ceibes.
 
Eduardo Maragoto, da associação que promove o concerto, explica que se trata de mais uma iniciativa no âmbito de encontros “entre a Galiza e os demais países de língua lusófona”.
 
Maragoto explicou ainda que a associação galega tem vindo a colaborar cada vez mais com a Associação José Afonso, no intuito de “actualizar a vida e a obra do Zeca” que “sempre manteve uma relação especial com a Galiza e com a luta antifascista, dos dois lados do rio Minho”.
 
Foi aliás em Santiago de Compostela, na praça do Burgo das Nações, onde Zeca cantou em público pela primeira vez, a 10 de Maio de 1972, a sua canção mais mediática, “Grândola Vila Morena”
 
“O Zeca estava muito vinculado à Galiza e muito comprometido com a causa galega”, disse Maragoto, que explicou que o músico incorporou vários temas tradicionais desta região espanhola no seu reportório.

 

*com Destak



publicado por Expressões Lusitanas às 12:41 | link do post | comentar

Terça-feira, 23.12.08

 

  

 

Get this widget | Track details | eSnips Social DNA

Copyright © 2009 Daniel Pinto Lopes

 

Não resisti a pedir a Armando Carvalhêda que lançasse um artista de sua preferência: José Afonso.

 

Conheça agora a história que levou Armando Carvalhêda a conhecer e a entrevistar, na sua juventude, Zeca Afonso. Tudo neste "podcast".

 

Armando Carvalhêda: Um homem da rádio e da música portuguesa

 

Páginas a ter em conta:

www.rtp.pt

http://tv1.rtp.pt/programas-rtp/index.php?p_id=1054&e_id=&c_id=1&dif=radio



publicado por Expressões Lusitanas às 12:18 | link do post | comentar